Viagem a Tailândia e Mianmar por livre: preparativos e plano de viagem

Já temos o verão cima e estamos em plenos preparativos para o nosso próximo grande viagem, que nos levará de novo ao sudeste asiático, desta vez para conhecer um dos países mais desconhecidos e fechados na área, Mianmar. Pouco a pouco, a antiga Birmânia está abrindo mais o turismo e são muitos os que decidem visitar este enigmático e encantador país. Nosso vôo fará escala longa em Moscou, o que nos permitirá sair para dar uma volta à Praça Vermelha, que para isso temos que fora e suado nosso visto russo. Vos conto um pouco de como eu estou preparando a viagem, os preparativos prévios e o meu plano de viagem para a Tailândia e Mianmar por livre durante 18 dias.
Porque Mianmar?
O sudeste asiático tem me casar, não o posso negar. Desde que pisé Tailândia há 8 anos eu voltei várias vezes para saber Laos, Camboja, Malásia, Singapura, Tailândia ou Vietnã. E a cada dia eu gosto mais da Ásia, não sei se pelo seu povo, pela sua cultura, pela sua comida, por suas praias, seus preços ou por tudo isso junto. Mianmar é um país que até há pouco tempo, estava isolado do mundo exterior, desconhecido e enigmático e que tem muito para descobrir. Tem atrativos suficientes para ser um destino turístico em ascensão: história, cultura ancestral, templos, natureza, boa gastronomia…. Também teve que ver em nossa decisão os bons preços dos voos, já que voar até Bangkok em Portugal costuma ser muito barato ( 515 euros nos custou o voo com Aeroflot com escala longa em Moscovo).
Situação de Mianmar
Apesar de Mianmar decidiu abrir o turismo após as eleições de 2010 parece que há zonas do país que não se podem visitar, sobre todo o norte, não é se as guerrilhas, as minas ilegais, de pedras preciosas ou o tráfico de ópio tem algo que ver. Se quiser pode entrar nelas, há que fazê-lo solicitando a autorização prévia, assim, duvido que possamos ir a esses lugares. Não sei o que pretendem esconder o visitante, mas eu li coisas estranhas e policiais que se fizeram dar a volta a alguns viajantes que têm se arriscado a lugares pouco turísticos. Por outro lado parece um país seguro e tranquilo, de pessoas amigas, que a cada dia atrai mais turistas, apesar de que deve melhorar suas estradas e infra-estruturas. A Cada dia há mais hotéis e locais onde dormir e até wi-fi nos alojamentos, bares e restaurantes. Pelo que li, o melhor é não falar de política com os birmaneses, é um assunto cabeludo.
Preparativos
Itinerário de viagem
Como sempre faço nessas viagens, eu levo fechados os voos importantes e me dou um pouco de liberdade de movimento, por isso que eu não sei exatamente quantos dias vou ficar em cada lugar. O que tenho claro é que quero fazer algo mais ou menos assim:
– Em Moscou, teremos o tempo suficiente para sair do aeroporto e dar uma volta pela Praça Vermelha, o Kremlim e a Catedral de São Basílio.
– Em Banguecoque, que já o conhecemos, passaremos dois dias, o suficiente para visitar seus grandes templos, um mercado e tentar um bom Pad Thai ou uma sopa Tom Yam Goon.
– Ele vai voar para Mandalay, um nome que só de ouvir me mudou para a Ásia mais tradicional e mística. Lá, na capital cultural de Mianmar, descobriremos seus templos, seus monges ou Amarapura, a antiga capital do reino de Mianmar, que tem a ponte pedonal de pedra mais longo do mundo.
– Os Templos de Bagan, serão um dos pontos altos da viagem, lugar do primeiro reino birmanês que conta com mais de 3.000 templos budistas, a bom seguro que acalma o nosso desejo de ver míticas civilizações. Subir em um balão para admirar os templos do ar se me afigura complicado pelo preço do vôo: 350 dólares.
– Eu gostaria de fazer o caminho senderista que vai desde Kalaw até o Lago Inle, uma das áreas mais autênticas do país e é ideal para explorar a vida rural deste país. E se eu não conseguir, vá direto ao lago e passar um par de dias descobrindo estas águas mágicas e as pessoas que o habitam.
– A cidade de Yangon ou Yangon, outrora capital, será o nosso último destino, onde teremos a Shwedagon Paya, o monumento religioso mais importante do país e um dos mais impressionantes de todo o sudeste asiático. Nas proximidades, há verdadeiras maravilhas, como Estudante ou o monte Kyaiktiyo, mas temo que o tempo não vai nos permitir conhecê-las.
– Krabi. Terminar a viagem em uma praia estava claro, mas não tanto onde seria. Já considerou a possibilidade de acabar em praias birmanesas e os possíveis destinos da costa tailandesa: Phuket e as ilhas Phi Phi já os conheço assim que me restavam outras opções dentro Tailândia: Ko Samui, Ko Phangnan, Krabi ou Ko Lanta eram meus favoritos depois de descartar Pattaya ou Ko Chang, a ilha elefante, em que eu também estive. No final os bons preços dos voos para Krabi tem feito que seja a área de praia escolhida, onde descansaremos vários dias entre mergulho e praias paradisíacas.
De utilidade para a viagem
– Visto para entrar em Mianmar, 50 $. Fácil de fazer on-line se você entrar via aeroporto.
– Um bom seguro de viagem. Eu vou com Iati Seguros.
– Adaptador de tomadas universal.
– Capa de chuva, pois julho é época de chuvas, além de manga longa para algumas áreas e o frio do ônibus.
– Repelente de insetos.
– Um bom kit de viagem.
– Levar dinheiro e cartão de crédito. Parece que, na hora de pagar com moeda estrangeira, o dólar e o euro vale para eles o mesmo assim que melhor dólares. Há também cada vez mais caixas então, por esse lado iremos tranquilos.
– Nunca beba água de torneira e cuidado com o gelo.
Blogs úteis para preparar a sua viagem a Mianmar
Claro, as vossas recomendações e sugestões também são bem-vindos, pois estamos aqui para isso, para viajar e compartilhar com todos a nossa experiência. Começa a contagem regressiva…..

Viagem a Tailândia e Mianmar por livre: preparativos e plano de viagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *